Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Gato Pardo

Para quem conhece, vocês estão mais que vacinados. Vocês não conhecem isto? São maiores de idade? Trazem o vosso cartão de cidadão, boletim de vacinas e resgisto criminal? Não? Fantástico!!!

Gato Pardo

Para quem conhece, vocês estão mais que vacinados. Vocês não conhecem isto? São maiores de idade? Trazem o vosso cartão de cidadão, boletim de vacinas e resgisto criminal? Não? Fantástico!!!

Não se pode agradar a todos...e verdade seja dita, eu não me esforço minimamente por agradar a ninguém.

06.10.15publicado por Gato Pardo

Hoje quebrei.

Não existe pior sensação no mundo do que darmos por nós prostrados no chão, mesmo que momentaneamente.

É interessante analisar a velocidade estonteante com que a percepção das pessoas sobre nós muda, de acordo com as suas próprias frustrações pessoais. Ontem éramos uns tipos bestiais apenas para descobrir que 24h depois, somos as maiores bestas que caminham nesta terra. Porquê? Porque decidiram deixar de fumar e estão a ressacar de tal forma que não conseguem discernir o Titanic de um icebergue? Ou será que quando as frustrações pessoais entram na equação, aquilo que realmente se pensa surge à tona?

Suponho que seja a segunda hipótese. Causou um certo desconforto, admito. Levou-me a questionar certas coisas que julgava serem factos adquiridos. Mas pouco mais que isso. O bom das pancadas que a vida nos proporciona é que por muito forte que tenha sido o impacto que nos levou ao chão, inevitavelmente levantamo-nos. Lentamente, mas levantamo-nos. Sacudimos a poeira do rosto, respiramos fundo e voltamos a caminhar a passos firmes. Lição aprendida.

No que ficamos então? Sou uma besta ou sou bestial? Basicamente, sou um gosto adquirido. Aqueles que me adoram são tantos como aqueles que me odeiam profundamente. Parece-me um bom rácio e vivo bem com ele. Tenho algum senso comum, o que me permite não entrar em batalhas que estão perdidas à partida (o que infelizmente, só aumenta a frustração de algumas pessoas como o caso que sucedeu hoje). E apesar de tudo (embora por vezes, imerecido), tenho algum respeito pelas pessoas, por muito idiotas que elas sejam. Simplesmente, porque a alternativa mais fácil seria destruir por completo essas mentalidades de couve flor (com todo o respeito pelas ditas couves) e levá-las a tratamento psiquiátrico compulsivo durante uns bons anos. Mas não. Seria a velha máxima "desces ao nível de um idiota, ele vence-te por experiência. Para além de que se perde tempo útil que podes gastar de formas mais produtivas...".

Sou o que sou e principalmente, quem sou. E apenas eu sei tudo aquilo que sou. Não tenho qualquer intenção em mudar a perspectiva que as pessoas possuem da minha pessoa. Porque se elas não sabem ver para além do visível, não merecem conhecer nada mais.

Mais uma vez, isso ficou bem provado hoje. Mais uma queda, mais uma lição. Apenas mais uma cicatriz, nada mais que isso.

12 comentários

Comentar este post